Bem vindos

Missão

Tentar destacar os melhores (ou os piores), nas diferentes temáticas, criando um espaço de livre debate.

domingo, 13 de maio de 2012

Faleceu o Brilhante Pianista e Compositor Bernardo Sasseti, aos 41 anos de idade

O compositor e pianista português Bernardo Sasseti, morreu  na passada quinta feira, dia 10 de Maio de 2012, aos 41 anos, ao cair de uma falésia na zona de Cascais, mais concretamente numa zona rochosa da praia do abano, no guincho.
Durante a operação de resgate no local, as autoridades colocaram as hipóteses de acidente ou suicídio.
Transcrevemos excerto da noticia publicada em expresso.sapo.pt:
- "(...) O pianista e compositor nascido em Lisboa, a 24 de Junho de 1970, bisneto do Presidente da República Sidónio Pais, que foi assassinado no início do século passado, era marido da atriz Beatriz Batarda, com quem tem duas filhas.
Formado em piano clássico, começou aos nove anos e teve Maria Fernanda Costa e António Meneres Barbosa como professores, antes de enveredar pelo jazz, área na qual viria a distinguir-se. Em 1987, inicia a carreira com o Quarteto de Carlos Martins e o Moreiras Jazztet.

Músico completo
O primeiro disco em nome próprio, "Salssetti", surge em 1994, seguido de "Mundos" (1996). Em 1997, com Guy Barker, grava "What Love Is", acompanhado pela Orquestra Filarmónica de Londres. Em 2002, o seu álbum "Nocturnos" venceu o Prémio Carlos Paredes.
A actividade como compositor solidifica-se por esses anos, nos quais se destacam as obras "Ecos de África", "Sons do Brasil", "Fragments (Of Cinematic Illusion), "Entropé" para piano e orquestra, e "4 Movimentos Soltos" para piano, vibrafone, marimba e orquestra.
É conhecida a sua colaboração com os pianistas Mário Laginha e Pedro Burmester, com quem abraçou o projecto "Três Pianos". Com Mário Laginha, gravou três CD: "Mário Laginha/Bernardo Sassetti", "Grândolas" - uma homenagem a Zeca Afonso e aos 30 anos do 25 de Abril - e "Piano a 4 Mãos"..
Em trio de jazz, apresentava-se regularmente com Carlos Barretto e Alexandre Frazão.
Os seus últimos trabalhos discográficos, "Índigo" e "Livre", para piano solo, foram aplaudidos pela crítica e considerados exemplos da sua maturidade artística.
Relevante é igualmente a sua obra para cinema, arte na qual se iniciou em 1994, por via de uma composição para grupo de câmara que acompanhava, ao vivo, a projecção do filme mudo português "Os Crimes de Diogo Alves". Em 1999, a experiência repetiu-se com a partitura para orquestra para "Maria do Mar", de Leitão de Barros. Nesse mesmo ano, escreveu a música de "As Terças da Bailarina Gorda", de Jeanne Waltz, e participou na banda sonora do filme "The Talented Mr. Ripley", de Anthony Minguella, no qual surge também a tocar. Nos anos seguintes, compôs música para os filmes "Facas e Anjos" de Eduardo Guedes (2000), "Aniversário" de Mário Barroso (2000), "O Segredo" de Leandro Ferreira (2001) e "Quaresma" de José Álvaro Morais (2003).

O lado mais mediático da sua atividade em 2010/11 foi a edição do disco com Carlos do Carmo (ed. Universal) (ver vídeo) e de "Motion" com o seu trio, na Clean Feed (a apresentação ao vivo incluiu a projeção de fotografias de sua autoria). (...)"


Fonte: expresso.sapo.pt
Enviar um comentário