Bem vindos

Missão

Tentar destacar os melhores (ou os piores), nas diferentes temáticas, criando um espaço de livre debate.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Pedro Passos Coelho diz que privatizações da RTP e Águas de Portugal vão avançar vs Erro estratégico de Pedro Passos Coelho

Primeiro Ministro Pedro Passos Coelho pretende privatizar um dos canais de serviço público da RTP e também 49% da Empresa Águas de Portugal

Segundo notícia publicada hoje em "sicnoticias.sapo.pt", "a privatização da RTP e da empresa Águas de Portugal vai mesmo avançar.  A garantia foi dada hoje, por Pedro Passos Coelho, em entrevista ao jornal britânico Financial Times".

Ainda segundo a mesma fonte, o Primeiro Ministro agora Indigitado, Pedro Passos Coelho, quer deixar apenas um canal de serviço público nas mãos do Estado Português e promete vender aos privados 49% da empresa Águas de Portugal.

Comentário THE BESTS:
Esperamos que pelo menos o canal 2 da RTP fique nas mãos do Estado Português, pelas mesmas razões que apontámos em publicação THE BESTS datada de 10 de Maio de 2011, com o título Erro Estratégico de Pedro Passos Coelho (PSD) pode dar a Vitória a Sócrates (PS) nas Eleições Legislativas de 5 de Junho

Quanto à Privatização da Empresa Águas de Portugal, THE BESTS também não encontra qualquer vantagem para o País em se avançar com esta privatização.
Alguém nos conseguirá convencer de que existem razões válidas para privatizar uma área tão sensível da saúde pública portuguesa, como é o sector em que opera a Águas de Portugal??? Água é um bem básico e essencial à vida!!

Para começar, a privatização da Empresa Águas de Portugal será de 49% do capital da mesma, o que é menos mau, visto que pelo menos assim o controlo da Empresa permanecerá nas mãos do Estado Português que passará a deter 51% do capital, em vez dos actuais 100%. Mas fica a pergunta: E no futuro? Será que o Estado não irá privatizar mais uma parte da Empresa Águas de Portugal, passando o controlo desta para as mãos do sector privado?
Transcrevemos excerto da notícia publicada em THE BESTS no dia 10 de Maio de 2011:

(...) b) Privatização da RTP. Apesar de se tratar de um Grupo que dá prejuízo ao Estado, em termos de Cultura e Educação, Portugal ganha muito se a RTP continuar nas mãos do Estado Português, já que é um garante de um Serviço Público de Comunicação. Pelo menos o canal 2 deve ficar sempre nas mãos do Estado, pela excelente qualidade do Serviço Público prestado.

Se nos detivermos apenas nos 4 Canais de TV que operam em Canal aberto (RTP1, RTP2, SIC e TVI), olhando os 3 principais canais (RTP1, SIC e TVI),. constatamos que a esmagadora maioria dos Programas não acrescenta valor educacional e cultural à população. A qualidade de muitos dos programas transmitidos apenas se orienta por motivações comerciais, descurando a qualidade dos programas. Programas televisivos vazios e de má qualidade, não ajudam a formar e a estrutar os cidadãos de um país. Bem pelo contrário, embrutecem a população.
Privatizar totalmente a RTP, significa destruir o Canal de TV RTP2 que ainda é o único que se distingue pela qualidade dos seus programas com forte apelo à componente cultural e educacional
Entendemos pois que a privatização total da RTP seria altamente prejudicial para a formação e cultura da população portuguesa. Há que rever procedimentos e estratégias de gestão para reduzir desperdícios e prejuízo, mas no balanço das vantagens e desvantagens, não é vantajoso privatizar a totalidade da RTP.
Pelo exposto,  pelo menos o Canal de TV RTP 2 deve permanecer nas mãos do Estado Português;

c) Eventual Privatização da Empresa Águas de Portugal. Esta privatização não é bem recebida, assim como, também não é necessária. Sendo a água um recurso essencial à vida, imagine-se o que seria se esta empresa fosse parar às mãos de pessoas mal intencionadas e sem escrúpulos?
Como recurso essencial à vida, deve pois permanecer sob a tutela do Estado Português para evitar que uma privatização desta Empresa estratégica para o bem estar e saúde pública nacional, possa atrair especuladores sem escrúpulos, capazes de nos dificultar o acesso a este bem precioso, a um baixo preço; (...)
Filipa Bragança
Enviar um comentário