Bem vindos

Missão

Tentar destacar os melhores (ou os piores), nas diferentes temáticas, criando um espaço de livre debate.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Presidente da República Cavaco Silva Promove Conferência "Nascer em Portugal" vs Qual o Custo Monetário de Criar um Filho Durante o Primeiro Ano de Vida?

Preocupado com a baixa taxa de natalidade em Portugal, o Presidente da República Cavaco Silva promoveu a Conferência "Nascer em Portugal" que teve lugar no dia de ontem em Cascais, com vista a reflectir e debater uma realidade que ameaça a sustentabilidade demográfica em Portugal! Tratando-se de um problema real e de vital importância para a sustentabilidade futura da Segurança Social, assim como para a Própria identidade de uma Nação, THE BESTS saúda esta iniciativa do Presidente da República Cavaco Silva.

Relembramos que actualmente em Portugal a Taxa de Natalidade se situa em 1,3 filhos por mulher, quando o desejável deveria ser segundo os especialistas 2,1 filhos por mulher.
Por outro lado, tal como THE BESTS já informou numa anterior publicação, no ano de 2100 a populção portuguesa terá baixado dos actuais cerca de 10 milhões de habitantes, para cerca de 6 milhões.

De acordo com notícia publicada em noticias.sapo.pt, deste profícuo debate emergiram opiniões que são de sublinhar:
a) É preciso desmistificar a ideia de que com a queda da natalidade vem o “declínio civilizacional". Hoje nasce-se menos mas nasce-se melhor (António Barreto);
b) "vamos ter de nos habituar a níveis que não correspondem à reposição das gerações" (Cavaco Silva);
c) "Não basta dizer que tem de se inverter a baixa da taxa de natalidade – é preciso explicar as razões pelas quais se deve procurar colaborar com o aumento da natalidade." Informados, os casais poderão fazer parte do debate. Mas, acima de tudo, ter filhos é uma decisão pessoal (António Barreto);
d) "A criança deixou de ter um valor essencialmente económico e passou a representar um projeto que tem uma dimensão financeira, mas também é um projeto de investimento emocional”. Na equação da natalidade entram fatores como a relação entre carreira profissional e vida familiar, condições financeiras, disponibilidade individual. (Maria João Valente Rosa);
e) O tempo de lazer é um dado relevante. Ir ao cinema, ir viajar, ou ter um filho? "Sendo uma escolha de vida, não vai lá por decreto" (Pedro Pita Barros);
f) É necessário perceber que não é apenas na renovação das gerações que está a chave para, por exemplo, a não falência do sistema de segurança social (Maria João Valente Rosa).

Na sequência desta reflexão, THE BESTS lança ainda a seguinte questão:
Qual será o custo monetário de criar um filho durante o primeiro ano de vida?

Resposta: Tendo por base um casal em que ambos os membros trabalham, a esposa goza de licença de maternidade durante os primeiros 4 meses de vida do bébé e em seguida a criança é colocada num infantário. A lista de despesas com o bébé apresenta-se de seguida.

Lista de Despesas para o referido casal, durante o primeiro ano de vida de um bébé:

- Fraldas, vestuário, brinquedes para bébé, cadeira de bébé, produtos de higiene, cama, colchão, lençois, edredon, alimentação = € 1200

- Infantário = € 2500

- Médico = € 500

- Medicamentos = € 150

- Vacinas fora do Plano Nacional de Saúde = € 400

TOTAL = € 4750

Conclusão
Para além das conclusões a que se chegou na Conferência "Nascer em Portugal" THE BESTS acrescenta uma outra:
- O recente desafio lançado pelo actual Governo para que os Portugueses emigrem, juntamente com todos os problemas que marcam a actualidade sociológica, sócio económica e política nacional, associadas ao custo monetário com a criação de um bébé durante o primeiro ano de vida e seguintes, fazem com que muitos portugueses optem por não ter filhos, ou que muitos casais optem por ter um único filho, contribuindo assim para a actual taxa de fecundidade de 1,3 filhos por mulher.

A este ritmo, no ano de 2100 a população portuguesa será de cerca de 6 milhões de habitantes. O melhor será portanto tomar consciência de que esta realidade poderá ter vindo para ficar e começar de facto a pensar nas medidas necessárias para rentabilizar um povo e um País cuja população estará cada vez mais envelhecida.

Enviar um comentário