Bem vindos

Missão

Tentar destacar os melhores (ou os piores), nas diferentes temáticas, criando um espaço de livre debate.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

O Novo Paradigma - Início da 2ª Guerra Fria vs Emerge o Domínio do Moderno Comunismo Chinês

A Nova Guerra Fria - Estados Unidos da América (EUA) e Europa vs China
Capitalismo Emocional vs Avanço do Renovado Comunismo da China
O Novo Paradigma - Início da Segunda Guerra Fria

O Capitalismo sóbrio, controlado, coerente e sensato que marcou uma época caracterizada pela existência de grandes líderes mundiais, tais como Jean Monet, Jacques Delors, Jacques Chirac,  François Mitterand, Helmut Kohl e Gorbachev, deu lugar à embriaguês de um "Capitalismo Emocional" e ébrio, seduzido pelo inebriante deslumbre do consumismo desregrado, o crédito desmedido, a ostentação, a luxúria, o prazer e o poder. Emerge assim uma nova forma de capitalismo que, de racional e sóbrio, passou a mover-se pelo impulso expontâneo decorrente da satisfação de desejos imediatos e da influência de emoções, nem sempre coerentes racionais. A especulação nos mercados e o lucro imediato, são a regra.

Em 1 de Janeiro de 1987 entrou em vigor o “Acto Único Europeu”. Jacques Delors, Presidente da Comissão Europeia na altura, terá dito a propósito do “Acto Único Europeu”:

“O Acto Único é, numa frase, a obrigação de realizar simultaneamente o grande mercado sem fronteiras e também, a coesão económica e social, uma política europeia de investigação e tecnologia, o reforço do Sistema Monetário Europeu, o começo de um espaço social europeu e de acções significativas em relação ao meio ambiente".
Fonte: historiasiglo20.org

A chegada de Gorbachev ao poder na ex União Soviética (URSS), trouxe a Perestroika que deu o mote para o fim da Guerra Fria e a queda do Regime Comunista Soviético. Dá-se o desmembramento da URSS e nasce a Rússia e novos Países provenientes da extinta URSS. A queda do muro de Berlim em 1991 permite a reunificação das duas Alemanhas (RFA e RDA) e a extinção da Alemanha Comunista, RDA. Por curiosidade, No dia 13 de Agosto, assinalam-se os 50 anos da data de início de construção do Muro de Berlim (13 de Agosto de 1961), também conhecido como muro da vergonha.


Após a retirada dos grandes líderes Europeus, emergiu o "Capitalismo Emocional". Esta mais recente forma de capitalismo, adormecido pela embriaguês de um aparente lucro rápido e fácil, assiste impotente ao avanço do paciente e astuto Gigante Comunista do Oriente, agora modernizado e vocacionado para a exploração da vertente capitalista que marca o mundo ocidental.

Tudo se desenrola no palco da economia/finanças e da politica internacional, como se de um jogo se tratasse, movido pelo equilíbrio/desequilíbrio das forças exercidas entre variáveis que decorrem do Capitalismo Emocional.

Estados Unidos da América (EUA) e Europa caem em crise profunda que configura a chegada de uma depressão económica/financeira algo duradoura. Pela primeira vez, os EUA assistem à descida da sua avaliação de rating. Tal como na Europa, a Dívida Pública Americana sobe vertiginosamente até valores impensáveis há uns tempos atrás. O maior credor dos EUA é a CHINA.
Segundo notícia publicada em "economico.sapo.pt", "(...) os Estados Unidos, que surgem na sétima posição dos mais endividados do mundo desenvolvido, devem 4,4 biliões de dólares a estrangeiros, pouco mais de três biliões de euros. Só à China, o maior detentor de dívida dos EUA, a maior economia do mundo deve 1,1 biliões de dólares (771 mil milhões de euros)".

De acordo com outra notícia que têm vindo a público, as reservas de ouro dos EUA têm caído a pique nos últimos anos e o recurso a empréstimos de outros países para compra da dívida pública é inevitável.
Ardiloso, o gigante Chinês vai comprando dívida americana até ao limite do impensável. Aos poucos, a Economia dos EUA está cada vez mais dependente da China. O maior credor dos EUA é uma China ainda comunista que, 20 anos após a queda do muro de Berlim que simbolicamente representou o final da Guerra Fria e do Regime Comunista Soviético, se agiganta sobre os EUA. Este País é ainda a maior economia do mundo, mas agora,  vulnerável, sucumbe aos poucos perante o avanço de um modernizado e readaptado Regime Comunista Chinês.

A Crise na União Europeia (EU) é levada ao limite do tolerável. Alguns dos principais países da UE apresentam valores da dívida pública altíssimos. Itália e Espanha são disso um exemplo e encontram-se à beira do abismo financeiro/económico. A queda destes dois gigantes da Europa , representaria o fim da União Europeia tal como a conhecemos hoje.

Capitalismo Europeu e Americano, transitaram para uma forma de Capitalismo Emocional que abriu portas à dependência e submissão económica/financeira perante o Gigante Comunista Chinês.
Domínio da China sobre a economia/fnanças dos EUA, tem também um impacto profundo na Economia Europeia, dada a interdependência entre as Economias Americana e Europei.

Vinte anos após a queda do muro de Berlim e a queda do regime Soviético, a história tende a repetir-se. Nasce aos poucos uma nova forma de Guerra Fria entre um Bloco Comunista, agora o Chinês, e o Capitalismo Ocidental.
A 2ª Guerra Fria trava-se para já nos meandros da economia e finanças, mas tem potencial para alastrar para outros domínios, ideológico e de relações de poder que marcaram o passado não muito distante.
LT
Enviar um comentário