Bem vindos

Missão

Tentar destacar os melhores (ou os piores), nas diferentes temáticas, criando um espaço de livre debate.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Homenagem a 2 Verdadeiros Heróis.

Num tempo em que os interesses financeiros e particulares se sobrepõem aos interesses sociais, é bom recordarmos alguns feitos históricos, praticados por pessoas simples, cujo único interesse era ajudar quem necessitava.
Os Verdadeiros Heróis não são mais do que pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as adversidades e aceitando as  consequências.
Os actos de Verdadeiro Heroísmo Nunca deverão cair no esquecimento, devem antes ser realçados de modo a servirem de exemplos para as gerações vindouras. É, de todo, importante divulgar todos os feitos que temos a obrigação de Eternizar.
São exemplo como os descritos abaixo que, embora preteridos por outros exemplos menos heróicos, dão razão à vida e força para se acreditar que o egoísmo, o bem estar material e o protagonismo apenas interessam aos fracos de espírito.
Mas também é com grande PENA que se verifica que, estes feitos, executados por pessoas humildes e sem outro interesse que não ajudar o próximo, sejam preteridos por outros que, embora importantes e de realçar, têm muito menos significado histórico, social e, acima de tudo, humanitário.
Aristides de Sousa Mendes – Foi um dos poucos heróis nacionais do século XX e o maior símbolo português saído da II Guerra Mundial.
Aristides de Sousa Mendes foi o "Schindler português" muito antes de Schindler começar a sua actividade humanitária em prol dos judeus. Atendendo à verdade histórica, Oskar Schindler é que foi o Aristides alemão. No entanto, pagou bem caro a sua preocupação pela vida alheia, sendo severamente castigado por Salazar e acabando por morrer, em 1954, com imensas dificuldades financeiras.
Acreditamos que muitos milhões de pessoas, por esse mundo fora (e mesmo em Portugal), não tenham tido a oportunidade de conhecer a obra de Aristides de Sousa Mendes. Um obra MAGNIFICA, apenas ao alcance de HOMENS com um CORAÇÂO do tamanho do MUNDO.

Irena Sendler - Uma Verdadeira SENHORA que trocou a segurança e o bem estar pessoal pela vida de 2500 crianças, que conseguiu salvar das garras dos Nazis.
Desconhecida fora da Polónia e apenas reconhecida, no seu país, por poucos historiadores, (o obscurantismo comunista apagou a sua heroicidade dos livros de história oficiais), Irena Sendler nunca contou a ninguém as suas acções, ao longo daqueles anos.
Apenas em 1999, graças a um grupo de alunos de Kansas durante a conclusão de um trabalho de fim de curso, sobre os Heróis do Holocausto, a sua história começou a ser conhecida.
Durante a pesquisa, os alunos encontraram poucas referências sobre Irena Sendler, no entanto existia um dado surpreendente: 2.500 crianças foram salvas por ela. Como era possível não existir informação sobre uma pessoa assim? Mas a maior surpresa viria depois. Ao investigarem o suposto local do túmulo de Irena Sendler, descobriram que, o mesmo, nunca existiu porque ela estava viva. Aos 97 anos residia num asilo em Varsóvia, num quarto cercado de flores e cartões de agradecimento que os sobreviventes e seus descendentes lhe tinham endereçado
Irena Sendler viveu durante anos agarrada a uma cadeira de rodas, devido as lesões e torturas impostas pela Gestapo.
Nunca se considera uma heroína e jamais reivindicou qualquer tipo de créditos pelas suas acções: “Poderia ter feito mais” e completa: “Este lamento me acompanhará até o dia da minha morte!
Irena Sendler faleceu ao 98 anos, numa segunda-feira, 12 de maio, de 2008.
Todo o SER HUMANO é do tamanho dos valores que defende. Por isso, O TEHBESTS, tomou a liberdade de prestar esta simbólica homenagem, a 2 Seres Humanos (1 PORTUGUES e 1 Polaco), ambos de Eleição, que deverão encher de Orgulho toda e qualquer Nação. A Eles o Nosso Bem Haja por todo o bem que praticaram neste mundo.
"A modéstia é o único esplendor que se pode acrescentar à glória."    
( Charles Pinot Duclos )
"Os heróis proíbem que os choremos; só os fracos reclamam lágrimas. "
 ( Sêneca )
JMP
Enviar um comentário