Bem vindos

Missão

Tentar destacar os melhores (ou os piores), nas diferentes temáticas, criando um espaço de livre debate.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Quais vão ser as Medida de Austeridade Impostas pela Troika (FMI, BCE e Comissão Europeia) a Portugal

Segundo notícia avançada pelo site do Jornal de Negócios, podemos prever já algumas das medidas que fazem parte da receita que consta do pacote de medidas de austeridade  da Troika para Portugal.

Transcrevemos excerto na notícia avançada pelo Jornal de Negócios sobre o Pacote de Medidas de Austeridade previstas, com o respectivo Plano de Cortes da Troika para Portugal:

"À semelhança do que aconteceu na Grécia e na Irlanda, o FMI, a Comissão Europeia e o BCE deverão impor a Portugal mais cortes nos salários da Função Pública e nas pensões e um aumento de impostos, de acordo com a imprensa de hoje.

O Plano de Ajuda a Portugal está no centro das atenções da imprensa nacional. O “Correio da Manhã” noticia que a “troika” já referiu, em várias reuniões, mais cortes nos salários da Função Pública por um período de cinco anos, ou seja, até 2016.


Se esta medida avançar, os funcionários do Estado que ganham mais de 1.500 euros por mês vão sair ainda mais penalizados, uma vez que em Janeiro deste ano já lhes foi aplicado um corte salarial médio de 5%, que durará até 2013. Nas suas anteriores intervenções (Grécia e Irlanda), o FMI começou por cortar precisamente nos salários dos funcionários públicos pois é uma medida que permite obter resultados rápidos.

Já o “Diário de Notícias” dá como certo o aumento do IVA, o corte nas pensões e a flexibilização dos despedimentos – algo a que o próprio José Sócrates abriu caminho na concertação social. O "DN" diz ainda que se pode pôr fim às restrições no acesso às profissões o que, a confirmar-se em Portugal, poderá implicar a proibição de exames de acesso às ordens.

Em relação ao Prazo de Redução do déficit, ainda segundo o Jornal de Negócios, o prazo de redução do défice para 3% pode ser adiado um ou dois anos.
Fonte: jornaldenegocios.pt
Catarina Teixiera
Enviar um comentário