Bem vindos

Missão

Tentar destacar os melhores (ou os piores), nas diferentes temáticas, criando um espaço de livre debate.

terça-feira, 15 de março de 2011

Análise de 1 discurso patriótico

Após o discurso do eng. Sócrates, deveras  “Patriótico” e a quase nos limites do “comovente”, resta tentar fazer uma analise, de todo o trabalho feito, por este GRANDE “patriota”, em prol da Nação (que sem duvida o enriqueceu). Ora veja-se:
1 - Ano do inicio da mudança (infelizmente para muito pior)
  • A 12 de Março do fatídico ano de 2005, tomava posse, como 1º ministro de Portugal, uma personagem rara denominada de José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa;
  • Começou a governar com uma taxa de desemprego de 6,7% (média de Dezembro de 2004); 
  • Em Dezembro de 2005, essa média aumentou para 7,6% (mesmo com as promessas de + 150.000 novos posto de trabalho);
  • Começou a governar com uma divida externa situada nos 92.205,3 M€, ou seja, 64,0%  do PIB;
  •  Começou a auferir uma rendimento anual a rondar os 99.000,00 € por ano;
  • Um trabalhador com salário mínimo auferia um total anual de 5.245,80 €;
  • Mesmo podendo parecer pouco, o dito sr. ainda conseguia auferir um salário anual +/- 19 vezes superior a uma grande percentagem de portugueses;
2 - Ano em que o povo Português teve a GRANDE oportunidade de mudança e de se livrar de um grupo de bandidos (infelizmente não quis)
  • A 26 de Outubro do tambem fatídico ano de 2009, voltava a tomar posse, como 1º ministro de Portugal, a mesma personagem rara enunciada atrás;
  • Nesse ano, a taxa de desemprego situa-se nos 10 % (aumento de + /- 3,3% em 5 anos)
 
 
  • A divida externa teve 1 pequeno aumento, passando de 92.205,3 M€ para 177.000,3 M€, ou seja, de 64,00% do PIB para 108,6% do PIB (apenas duplicou a divida, nada de +) ;
3 - Março de 2011;

   a - Aspectos negativos 
  • Taxa de desemprego mais alta de sempre e a aumentar;
  • Divida externa nos 120% do PIB e a aumentar;
  • Nº de pobres ou no limiar da pobreza -  o mais alto de sempre;
  • Condições de vida -  as mais degradantes de que há memória;
  • Insegurança total por todo o lado;
  • Um país em recessão e teoricamente em bancarrota.
  • Cortes em tudo o que cheira a euros, salários, pensões, subsídios...
  • País sem  credibilidade externa, onde os juros da divida roçam os 8%, o que é, de todo, insuportável;
  • Cada vez maior a desigualdade e as injustiças.
  b - Aspectos menos negativos
  • O Pais pode-se orgulhar de ter 1 pm que, como pessoa que preza a imagem, compra os seus fatinhos a um preço acessível (apenas 1 das lojas + caras do mundo, onde um fato completo pode chegar aos 50 mil dólares (37 mil euros)); 
 

  • Bem vistas as coisas, o dito sr. talvez ande não ande ter o devido cuidado com a sua imagem pois, se só ganha +/- 100.000 € por ano e se cada fato custa +/- 37.000 €, será que anda sempre com o mesmo fato? Nada benéfico para 1 pessoa da sua posição;
  • A sua mãezinha passou de uma pensão de 250 € mensais de empregada domestica, (injusta claro. Então passou a ser a mãe do 1º não acham?), para uma pensão merecida, para uma pessoa da sua posição ,que ronda os 3000 e tal € e passou a conseguir adquirir imóveis com valor condigno ( de 240.000 € para cima);
  • A sua família conseguiu efectuar grandes e bons negócios (todos eles honestos claro) e assim aumentar, em grande escala, o património familiar;
  • Os seus amigos demonstraram reconhecimento e amizade, ora com prendas, ora com favorezitos sem importância, como apagar umas escutazitas aqui, outras ali e outras coisas mais;
  • Contribuiu para um grande surgimento de novas fortunas em Portugal, nestes últimos 6 anos, o que é, deveras, benéfico para a imagem do pais;
  • E o mais comovente e benéfico de tudo é que, o dito sr., conseguiu eliminar todas as injustiças e cabalas que contra si foram levantadas, por todos esses  casos polémicos, onde o quiseram meter injustamente. Jamais 1 homem com o "perfil" e "carácter" dele se meteria em coisas assim, NÃO ACHAM????
Evolução da divida ao longo da ultima década



 E ASSIM É O SENTIMENTO PATRIÓTICO DE UM sr. QUE DIZ ESTAR A LUTAR, ARDUAMENTE, À 6 ANOS, PELO FUTURO DO PAÍS. Ai se não estivesse, onde estariamos. 
José António Vilaverde
Enviar um comentário