Bem vindos

Missão

Tentar destacar os melhores (ou os piores), nas diferentes temáticas, criando um espaço de livre debate.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Salário Milionário dos Gestores Públicos vs Desmistificar necessidade destes salários milionários

Ranking dos Gestores Nacionais mais bem pagos em Empresas Públicas (valores anuais)
Nome e
Empresa
Salário
anual
Prémio
de
gestão/
acumulação de funções
Outras
regalias
Total
1 º
Fernando Pinto
Presidente da TAP
420 000 €
121 800 €
82 522 €
624 322 €
2 º
Francisco Bandeira
Presidente do BPN
315 350 €
198 220 €
46 125 €
559 695 €
3 º
Faria de Oliveira
Presidente da CGD
371 000 €

180 471 €
551 471 €
4 º
Estanislau da Mata Costa
Presidente dos CTT
200 200 €
48 048 €
88 414 €
336 662 €
5 º
Guilherme Costa
Presidente da RTP
250 050 €

4264 €
254 314 €
6 º
João Plácido Pires
Presidente da Parpública
137 480 €
97 838 €
14 577 €
249 896 €
7 º
Carlos Costa – Governador do
 Banco de Portugal
243 211 €


243 211 €
8 º
José Amado Da Silva
Presidente  da
Anacom
233 857 €


233 857 €
9 º
Pedro da C. Serra
Presidente das
Águas de Portugal
134 324 €
49 686 €
21 804 €
205 814 €
10 º
Pedro R. Felício
Vogal Executivo da Sagestamo
104 000 €
54 740 €
46 833 €
205 573 €
11 º
Almerindo Marques
Presidente das
Estradas de Portugal
193 900 €

3040 €
196 940
12 º
Estevão Moura
Presidente do IN-CM
135 638 €
39 900 €
14 246 €
189 784 €
13 º
Guilhermino Rodrigues
Presidente da Ana
178 220 €

11 053 €
189 273 €
14 º
José C. Gomes
Presidente da GERAP
134 518 €
14 931 €
15 284 €
164 733 €
15 º
Rolando B. Martins
Presidente do
Parque Expo
133 000 €

29 997 €
162 997 €
16 º
António R. de O. Fonseca
Presidente do
Metro do Porto
150 122 €

7548 €
157 670 €
17 º
Augusto J. Pereira
Presidente da NAV Port. EPE
105 000 €

4531 €
109 531 €
18 º
António F. Ferreira
Presidente da
Baía do Tejo
39 914 €

2955 €
42 869 €
19 º
Pedro J. Bento
Vogal Executivo
SIEV
14 692 €


14 692 €
Fonte: In Correio da Manhã, Edição de 28 de Janeiro de 2011

Salário milionário dos Gestores Públicos vs Desmistificar necessidade destes salários milionários
1-     O Mito do “Gestor de Ouro”.
Questão:
Será que um gestor de uma empresa pública portuguesa, ou de uma empresa privada de referência, tem um talento e competências tão raras, excepcionais e inatas que fazem dele alguém insubstituível e que por esse motivo terá que ser pago a "peso de ouro"? Como diria Mourinho, alguém “Special one”?
Há que desmistificar esta questão.
Trata-se de um mito!
Existem de facto certas actividades em que uma parte do talento do indivíduo tem que ser inato e que por mais que se exercite e treine, quanto muito melhora-se até determinado patamar, mas nunca se atingirá um patamar de indivíduo invulgar, pela excelência das suas capacidades e talento muito acima da média. É o caso por exemplo do que acontece com os "eleitos" no mundo do desporto, na música e pintura, onde é necessário possuir capacidades extraordinárias e inatas que o indivíduo já tem à nascença.
Exemplo de indivíduos com invulgar talento nas suas áreas e que por esse motivo será legítimo que usufruam ou que tenham usufruído de um salário muito acima do comum dos cidadãos:
a)      Cristiano Ronaldo e Leonel Messi no Futebol;
b)      Usain Bolt no Atletismo (Campeão Olímpico e recordista do mundo em 100 e 200 metros);
c)      No passado podemos citar Leonardo Da Vinci na Pintura e Mozart na Música.

Vamos agora ao caso dos gestores das empresas públicas nacionais (e já agora também das privadas). Será que eles serão assim pessoas tão iluminadas, tão extraordinárias, excelentes e acima da média, cujo desempenho é tão brilhante que justifique a desproporção dos seus salários face ao comum dos cidadão?
Resposta:
       Poderia ser se indivíduos que exercem uma exemplar gestão/liderança (a par de outras áreas, tais como, desporto, música, pintura, etc,) fossem raros de encontrar e tivessem associada uma carga inata muito acentuada, fazendo com que fossem únicos e insubstituíveis pelo brilhantismo do seu talento e desempenho a gerir e a liderar. No entanto, ao nível da gestão/liderança, essa carga inata não tem grade relevo, passando antes pela socialização, aquisição de experiência, conhecimentos e competências ao longo da vida do indivíduo.
      No reino animal as características de líder podem ser inatas, mas no entanto trata-se de uma liderança que é exercida pelo instinto e pelo uso da força. No mundo dos humanos as coisas não se passam de forma tão simples. Gerir/liderar passa por estimular, exercitar e utilizar a nossa inteligência e massa cinzenta, sendo felizmente uma capacidade que está ao alcance de todos e não apenas de alguns, alegadamente eleitos e pré-destinados.
Daqui decorre que os actuais gestores públicos pagos a peso de ouro, não detêm o exclusivo de acumular conhecimento e experiência para gerir com a máxima eficácia e eficiência. Em diversos sectores da sociedade portuguesa, existem muitos cidadãos à altura e capazes de os substituir. Acresce que o gestor não trabalha isoladamente e conta com o apoio e a colaboração de especialistas em diferentes áreas.
O Bom gestor/líder faz-se pelo trabalho, pelo tempo, pela acumulação de conhecimento e pela melhoria e adaptação de conhecimentos técnicos e competências diversas, às funções a desempenhar. É de sublinhar mais uma vez quen não trabalha isoladamente, mas conta com o trabalho de uma equipa composta por outros elementos que detêm as competências técnicas necessárias e que o gestor tem que saber envolver no projecto, motivar e auscultar.

Para concluir, a lista top 19 dos gestores mais bem pagos em empresas públicas portuguesas, não inclui uma única mulher. Existem em Portugal centenas ou até milhares de indivíduos, homens e mulheres, com capacidade para gerir, tanto uma pequena empresa, como uma grande empresa/organização. Gerir empresas não tem segredos, basta ter as competencias necessárias, dedicação, empenho e rigor. Neste momento existem quadros intermédios de empresas e gestores, bem como profissionais de outras áreas que tendo conhecimentos nas áreas de economia, contabilidade e gestão, com a socialização adequada, experiência, conhecimentos e competências técnicas adequadas, reunem as condições necessárias para gerir uma grande empresa/organização. Apenas ainda não lhes foi dada a oportunidade e caso a tivessem, com remunerações muitíssimo inferiores, desempenhariam tão bem as suas funções como os actuais gestores que são "pagos a peso de ouro".
                                                                                                                           Filipa Bragança
Enviar um comentário